Você sabe o que é Systems Approach? Mantenha-se informado, pois esse assunto já foi cobrado em concursos públicos e estava presente no último edital do MAPA!

É uma ferramenta importante para garantir a qualidade fitossanitária dos produtos que serão exportados!

Continue lendo nosso artigo para ficar bem informado sobre o assunto!

Histórico

O mundo moderno após a globalização quebrou barreiras e “encurtou” distâncias pela facilidade de transporte e de comunicação.

As pragas agrícolas, que desde a era dos descobrimentos têm sido transportadas de um continente para outro, também foram beneficiadas, facilitando sua disseminação entre as mais variadas regiões do mundo que elas sejam capazes de se adaptar e proliferar, gerando grandes prejuízos econômicos em produtos vegetais.

Isso gerou uma preocupação global, fazendo com que países impusessem barreiras fitossanitárias para a entrada de produtos importados.

Dessa forma, foi necessário o desenvolvimento e implantação de sistemas de manejo de riscos para ter acesso a novos mercados com a segurança fitossanitária adequada.

Assim, foi necessário o desenvolvimento e implantação de sistemas de manejo de riscos para ter acesso a novos mercados com a segurança fitossanitária adequada.

Método Comum

Uma das formas normalmente utilizadas para evitar a entrada de pragas quarentenárias ausentes em um país é por meio de tratamentos fitossanitários, visando eliminar, inativar ou remover as pragas que estiverem associadas a uma planta ou parte dela, garantindo a segurança necessária para esse produto ser introduzido no país.

Os tratamentos são adotados para produtos regulamentados, ou seja, que já existe uma norma ou protocolo associado aquele tipo de produto vegetal devido a riscos conhecidos. 

Para avaliar a eficiência do tratamento fitossanitário na fase de pós-colheita, usa-se o Probito-9, que consiste em uma metodologia estatística de regressão linear para indicar uma dose de tratamento que seja capaz de controlar 99, 9968% de pragas, sendo uma forma de adequar-se a maioria das barreiras fitossanitárias impostas e fornecendo uma boa segurança para esses produtos circularem no comércio internacional. 

Essa metodologia tem algumas limitações a sua aplicação, como por exemplo, uso de produtos químicos e a necessidade de saber a população inicial da praga no lote do produto a ser tratado, fazendo com que sua aplicação seja de certa forma limitada a insetos, geralmente afídeos.

Ademais, apesar de ser rigoroso, o método Probito-9 é suscetível ao risco dos sobreviventes se proliferarem, condenando o produto.

Portanto, foi necessário pesquisar novas alternativas para conseguir um lote de produto vegetal capaz de adequar-se aos padrões internacionais de fitossanidade.

Nesse sentido, os esforços voltaram-se para Sistemas de Mitigação de Risco (também conhecido como Systems Approach), ou seja, um conjunto de medidas para minimizar o risco da praga, com o objetivo de reduzir o impacto nas lavouras de banana, possibilitando a produção.

Nesse caso, diminui-se a dependência de um tratamento pós-colheita que se encaixe no nível de exigência da metodologia Probito-9.

Leia também: Certificado Fitossanitário: do Conceito à Prática

Systems Approach

Segundo a NIMF (Normas Internacionais para Medidas Fitossanitárias) nº 14, o Sistema de Mitigação de Riscos (Systems Approach) é a “integração de diferentes medidas de manejo de risco de pragas, das quais, pelo menos duas, atuam independentemente, e logrando com efeito acumulativo alcançar o nível desejado de proteção fitossanitária”.

Ou seja, consiste em um conjunto de práticas utilizadas em todas as fases de produção (pré e pós-colheita), que proporcionam a garantia do produto vegetal livre de praga-alvo.

Desta forma, é atingida a segurança quarentenária exigida por países importadores, diminuindo a dependência de tratamentos fitossanitários pós-colheita, indo de encontro a demanda por frutas e hortaliças livres de resíduos.

Essa forma sistemática de tratar pragas quarentenárias por Systems Approach, iniciou-se com o desenvolvimento do conceito da Teoria Geral dos Sistemas  pelo biólogo austríaco Ludwig von Bertalanffy, em 1968.

Ela baseia-se em uma visão holística (em sua totalidade) de um sistema (no nosso caso, a produção agrícola) sem negligenciar os componentes individuais, visando compreender o papel que cada componente exerce no sistema, enquanto, simultaneamente, compreende a atividade de um sistema completo.

Esse conceito de systems approach, que integra elementos básicos dentro de um sistema mais amplo, tem sido empregado em diferentes campos do conhecimento, como engenharia, software, arte e agricultura (MALAVASI & MARTINS, 2005).

Para melhor compreensão, o Systems Approach pode ser dividido em cinco fases (MOFFITT, 1994; JANG; MOFFITT, 1994): 

1. Práticas do Manejo Integrado de Pragas – MIP no campo de produção. 
2. Medidas preventivas na fase de pré-colheita, com o objetivo de reduzir a ocorrência da praga no produto quando ele chega à packing house.
3. Remoção na pós-colheita de frutos com danos ou com sinais de infestação por insetos.
4. Inspeção e certificação dos frutos empacotados. 
5. Transporte e distribuição do produto.

Caso de Sucesso: Exportação de Mamão Brasileiro Para os Estados Unidos Da América

Vamos analisar um caso de sucesso de aplicação do Systems Approach no Brasil para melhor compreensão.

Devido ao receio da introdução da mosca das frutas (Anastrepha spp.), o mercado americano barrou as importações de mamão do Brasil durante anos.

 Somente após a adoção do “Systems Approach” em lavouras comerciais de mamão no estado do Espírito Santo, algumas empresas obtiveram licença para exportar, a partir de 1998.

Esta medida gerou um aumento de 240% nas exportações gerais já no ano seguinte, segundo dados da Secretaria do Comércio Exterior, atualmente na pasta do Ministério da Economia, desse total 20% foram somente para o mercado americano.

Isso demonstra que a adoção de medidas para melhorar a qualidade fitossanitária abre várias vias de comércio, aumentando a renda do exportador, gerando divisas para o país e principalmente, gerando emprego.

Algumas das etapas do Systems Approach utilizado na produção de mamão no Espírito Santo são:

• monitorar e controlar a praga toda vez que a densidade populacional atingir 7 indivíduos de Ceratitis capitata ou Anastrepha fraterculus em cada armadilha por semana e suspender a colheita quando a densidade exceder a 14 moscas, só a restabelecendo quando esta baixar de 7 indivíduos/armadilha;
• colher os frutos antes que 1/4 da superfície da casca esteja amarelecida; 
• manter as plantas do campo de produção livres de frutos com maturação acima deste estágio; 
• manter o campo de produção em boas condições de sanidade e livre de plantas com viroses, que deverão ser imediatamente erradicadas no início do aparecimento do seu sintoma; 
• retirar da lavoura e destruir frutos refugados e caídos no solo; 
• levar imediatamente os frutos colhidos para uma casa de embalagem packing house, totalmente protegida contra a entrada das moscas-das-frutas e outros insetos;
• transportar os frutos em pallets telados e lacrados ou contêineres lacrados, que só serão abertos nos Estados Unidos.

Analisando esse exemplo de sucesso, pode-se compreender melhor como o Systems Approach integra fatores biológicos, físicos e operacionais que podem afetar a incidência, a viabilidade e o potencial reprodutivo de uma peste dentro de um sistema de práticas e procedimentos que conjuntamente promovem a segurança quarentenária (JANG & MOFFITT, 1994). 

Pode ser cobrado em concursos

Vamos analisar uma questão para ajudar na fixação de conceitos e mostrar como pode ser cobrado em concursos

FAPESUL – PREFEITURA DE GRÃO-PARÁ (SC) – ENGENHEIRO AGRÔNOMO – ADAPTADA

O Systems Approach é um sistema que objetiva a minimização de riscos fitossanitários. Sobre esse sistema, assinale a alternativa INCORRETA: 

A) O Systems Approach requer ao menos três medidas independentes e pode incluir qualquer número de medidas dependentes entre si. Uma vantagem do enfoque é que permite abordar a variabilidade e incerteza, modificando o número e intensidade das medidas ao nível adequado de proteção fitossanitária e confiança desejado. 

B) O Systems Approach pode ser definido como a integração de práticas na pré e pós-colheita usadas na produção, colheita, empacotamento e transporte de uma commodity que cumulativamente atinge as exigências da segurança quarentenária. 

C) Systems Approach integra fatores, biológicos, físicos e operacionais que podem afetar a incidência, viabilidade e potencial reprodutivo de uma peste dentro de um sistema de práticas e procedimentos que juntos provêm segurança quarentenária. 

D) Integração de diferentes medidas de manejo do risco, das quais, pelo menos duas, atuam independentemente, alcançando, com efeito cumulativo, o nível adequado de proteção contra as pragas regulamentadas. 

RESPOSTA: A

O Agrônomo deve dominar o Systems Approach

Conforme exposto, o Sistema de Mitigação de Riscos, também conhecido como Systems Approach é uma importante ferramenta para adequar os produtos vegetais brasileiros aos mais variados mercados internacionais, tendo a capacidade de cumprir exigentes normas fitossanitárias devido à sua capacidade de integrar várias etapas de controle de pragas durante o processo de produção.

Devido a sua complexidade, exige que os profissionais envolvidos nesse processo sejam altamente capacitados.

E como se já não houvesse motivos suficientes, é um assunto cobrado em concursos e esteve presente no último edital para o Ministério da Agricultura.

Quem está bem informado sobre esse assunto, com certeza está um passo à frente da concorrência!

Preparatório para Concursos Agronomia

Referências

JANG, E. B.; MOFFITT, H. R. Systems approaches to achieving quarantine security. In: SHARP, J. L.; HALLMAN, G. L. Quarantine treatments for pests of food plants. Boulder, Colorado, EUA: Westview Press, 1994. p. 225 – p. 239.

MARTINS, D. dos S.; MALAVASI, A. Origem e aplicações futuras do conceito de systems approach. Papaya Brasil: mercado e inovações tecnológicas para o mamão. Vitória, ES: Incaper, 2005. P. 43 – p. 53.

MOFFITT, H. R. “A systems approach to meeting quarantine requirements for apples and sweet cherries as an alternative to fumigation with methyl bromide.” A Report of the Fruit and Vegetable Insect Research, USDA Agricultural Research Service. Yakima, Washington, EUA. 1994. 22p.

Autoria do redator do Ifope:
Victor Gregório Rodrigues Nadal 

Gire a roleta e tente a sorte!

  • Sem nenhuma pegadinha!
  • 1 rodada por e-mail
  • Basta digitar seu e-mail e girar
Gire e Ganhe