Os concursos públicos para o cargo de médico veterinário geralmente cobram o tema defesa sanitária animal abrangendo os conhecimentos sobre métodos de prevenção, controle e erradicação de enfermidades com potencial zoonótico e de impacto econômico.

Muitos profissionais que desejam ingressar no serviço público não sabem por onde começar os estudos visto que o conteúdo é vasto, complexo e com muitos detalhes a serem lembrados na hora da prova, por este motivo separamos sete dicas preciosas para auxiliar no seu preparo para os próximos concursos e sair na frente dos concorrentes:

1- Mantenha o foco no cargo pretendido

Alvo

Mesmo nos concursos para veterinário, os editais variam muito no conteúdo exigido para a prova, isto é, um cargo para veterinário de uma determinada prefeitura pode exigir um conteúdo voltado à clínica de pequenos animais enquanto o edital de fiscal para o município vizinho pode focar somente inspeção e defesa sanitária. Como estudar tantos conteúdos diferentes sem saber o que será cobrado no edital? A dica é focar no cargo pretendido e se manter fiel a ele. Pesquise editais de concursos anteriores ao cargo pretendido e estude o que é cobrado com mais frequência. Assim seu foco se manterá nas disciplinas mais importantes e as chances de estar dominando o conteúdo, antes mesmo da publicação do edital, será maior.

2- Selecione material de qualidade e atualizado

Defesa Sanitária Animal – um tema que abrange diversos programas de sanidade implantados no país. Portanto é algo dinâmico, que sempre é atualizado e modificado de acordo com a realidade nacional e internacional. Mas então, como saber se o meu material de estudos está atualizado? Será que determinado programa de sanidade já sofreu alguma modificação? E aquela apostila dos tempos da faculdade, poderia estudar por ela? Essas dúvidas podem surgir quando o edital ainda não foi publicado então segue uma segunda dica: sempre realizar a busca de normativas sobre defesa sanitária animal em páginas de confiança que mantêm atualizações periódicas como no endereço do Ministério da Agricultura (MAPA) em que é possível acessar a página do programa de saúde animal de interesse e em seguida as normativas referentes ao assunto.

No site da agricultura também é possível realizar a consulta através do Sistema de Consulta à Legislação (Sislegis).

Outra forma de atualizar seu material de estudo é pelo site do Planalto no link http://www4.planalto.gov.br/legislacao/. Nesse endereço é possível realizar também a pesquisa de legislações estaduais, já que alguns estados possuem legislações próprias sobre sanidade animal e são exigidas em concursos estaduais. O site do Planalto é o mais completo e atualizado quando o assunto é legislação.

Agora, se ficou complexo demais ou não está com tempo de separar e selecionar o material atualizado, o IFOPE possui cursos preparatórios para concursos veterinários com o conteúdo completo e atualizado sobre o que realmente cai nas provas, além de disponibilizar atualizações constantes e gratuitas para os alunos já matriculados. Visite a página e comece os estudos hoje mesmo.

3- Atente-se à lista de Notificação Obrigatória

Diversas doenças são de notificação obrigatória ao serviço veterinário oficial por necessitarem de aplicação imediata de medidas de defesa sanitária. A lista estabelecida pela Instrução Normativa MAPA n°50, de 24 de setembro de 2013 é obrigatória para todos que tem suspeita ou casos confirmados de doenças e pode ser acessada clicando aqui. Muitas questões de concursos exploram do candidato o seu conhecimento sobre a obrigatoriedade de notificação para determinadas doenças, portanto é necessário saber quais são elas – ou pelo menos algumas delas – já que são 114 doenças na lista, o que dificulta a memorização.Para exemplificar como a lista é cobrada, segue algumas questões de concursos anteriores. Será que você sabe as respostas?

1- (ESAF/2017 – Méd. Veterinário – Inspeção Sanitária) Assinale a opção que relaciona corretamente uma doença de notificação obrigatória com a espécie animal alvo, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A – Gastroenterite transmissível / bovinos.

B – Scrapie / ovinos.

C – Colibacilose / suínos.

D – Aerossaculite / aves.

E – Encefalomielite por vírus Nipah / caprinos.

2- (ESAF/2017 – MAPA – Auditor Fiscal Veterinário) – De acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), algumas doenças detectadas nos animais em exames ante-mortem e post-mortem têm sua notificação de caráter obrigatório, portanto devem ser notificadas em âmbito internacional. Em 2017, a OIE atualizou a lista de doenças de notificação obrigatória. Com base nessa atualização, indique a opção abaixo onde todas as doenças listadas são de notificação obrigatória.

A – Anaplasmose bovina, Piroplasmose equina, Gastroenterite transmissível em suínos e Tuberculose bovina.

B – Triquinelose, Brucelose, Infecção por Seneca Valley Virus em suínos e Scrapie.

C – Infecção por vírus da doença de Newcastle, Peste Suína Africana, Babesiose Bovina e Infecção por Faciola hepática.

D – Sarna sarcóptica, Leucose bovina enzootica, Campilobacteriose genital bovina e Aerossaculite em aves.

E – Infecção por vírus da gripe aviária, Encefalopatia Espongiforme Bovina, Doença de Aujeszky e Leptospirose em equinos.

3- (FEPESE/2017 – CIDASC – Méd. Veterinário) As doenças listadas na Instrução Normativa nº 50, de 24 de setembro de 2013, são de notificação obrigatória ao serviço veterinário oficial, composto pelas unidades do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e pelos Órgãos Estaduais de Defesa Sanitária Animal. A notificação da suspeita ou ocorrência dessas doenças é obrigatória para qualquer cidadão, bem como para todo profissional que atue na área de diagnóstico, ensino ou pesquisa em saúde animal. Assinale a alternativa que contém apenas doenças de notificação IMEDIATA de qualquer caso SUSPEITO.

A – Botulismo, Cisticercose Suína, Coccidiose, Fasciolose Hepática, Leishmaniose, Leptospirose e Toxoplasmose.

B – Anaplasmose bovina, Anemia Infecciosa das galinhas, Diarreia Viral Bovina, Doença de Marek, Gripe Equina, Piroplasmose Equina e Rinite Atrófica.

C – Anemia Infecciosa das galinhas, Antraz (carbúnculo hemático), Cisticercose Suína, Diarreia Viral Bovina, Gripe Equina, Leishmaniose e Mormo.

D – Botulismo, Coccidiose, Doença de Aujeszky, Doença de Marek, Encefalopatia Espongiforme Bovina, Fasciolose Hepática e Toxoplasmose.

E – Antraz (carbúnculo hemático), Doença de Aujeszky, Doença de Newcastle, Encefalopatia Espongiforme Bovina, Febre Aftosa, Mormo e Raiva.

GABARITO: B | A | E

4- Conheça os Programas Sanitários

As normativas sobre os programas sanitários abordam diversos aspectos como a prevenção, o controle, a erradicação e outras medidas de vigilância epidemiológica para as diferentes enfermidades de interesse econômico ou de saúde coletiva. No estudo dos programas é importante ter o domínio das medidas de defesa sanitária em caso de confirmação da doença como a assistência aos focos (as medidas de desinfecção, vacinação e trânsito assim como as delimitações das zonas de proteção e de vigilância) e também os métodos diagnósticos preconizados. A memorização das ações de defesa sanitária é importante para cada programa sanitário e também pode ser alvo de questões discursivas.

5- Vá além dos programas sanitários

Muitas questões exigem do candidato “apenas” o que está disposto nas normativas sobre os programas sanitários, porém muitas outras vão além, abrangendo também a etiologia, epidemiologia e a patogenia das enfermidades para testar e dificultar ainda mais a vida do concurseiro veterinário. Portanto, se o edital ainda não foi publicado, você tem tempo a mais para aprofundar os conhecimentos sobre cada enfermidade e dominar o assunto. Agora se o edital já está publicado e o tempo de estudos é curto, vale focar nos agentes etiológicos mais importantes e aqueles mais cobrados em provas anteriores.

6- Leia notícias atuais sobre saúde animal

Defesa sanitária - atualização

Se hoje estamos na era da comunicação, não há desculpas para não se manter informado sobre o que acontece no mundo. O seu único meio de se manter informado é através das redes sociais? Então é hora de rever o que anda lendo e as fontes dos textos. Seguir páginas relevantes e de confiança que publicam as principais notícias sobre sanidade animal e defesa sanitária podem te auxiliar na memorização do conteúdo estudado e também na língua portuguesa, fundamentais para redigir um bom texto em questões discursivas. Lembre-se sempre: quem lê muito também escreve melhor. Agora cabe a pergunta: o que você anda lendo?

7- Não cultive dúvidas

Errou a questão? Leu a normativa e não entendeu algum artigo? Desde a faculdade não assimilou o que é um príon? Candidato não pode ter dúvidas ou “achar” que determinado assunto não é importante. O tempo é precioso, os assuntos cobrados nos concursos são muito extensos e complexos e cada vez mais a concorrência por cargos no serviço público está mais acirrada, portanto qualquer tempo dedicado aos estudos precisa ser de qualidade. Ninguém melhor do que você para saber quais são seus pontos fracos e quais assuntos precisam de mais dedicação (monte sempre um cronograma de estudos intercalando as disciplinas). A dúvida que ficou hoje pode ser a questão de amanhã. Neste ponto, o curso preparatório do IFOPE também facilita os estudos, dando suporte integral às dúvidas dos alunos.

Um bom concurseiro sabe que apenas uma questão pode ser a diferença entre a sua aprovação ou a do seu concorrente. Portanto, hora de colocar as dicas em prática e sair na frente. Bons estudos!

Você pode gostar de ler também:


Autoria da redatora do Ifope:
Tereza Abujamra

Preparação Concursos Veterinários

Se seu sonho é a carreira pública, venha se preparar com a metologia campeã em aprovações! Venha para o Ifope.

Gire a roleta e tente a sorte!

  • Sem nenhuma pegadinha!
  • 1 rodada por e-mail
  • Basta digitar seu e-mail e girar
Gire e Ganhe