Indústria de Laticínios - 5 dicas para construir uma carreira de sucesso

Se você busca uma carreira na Indústria de Laticínios, ou já atua nessa área, mas ainda almeja o crescimento profissional, este texto é para você!

Separamos 5 dicas para você colocar em prática e se tornar um profissional de destaque no mercado, construindo uma carreira sólida e de sucesso.

Não deixe de conferir!

Cenário da Indústria de Laticínios atualmente

A indústria de alimentos sempre teve um papel significativo na economia brasileira, desde seus primórdios, sendo uma das mais tradicionais estruturas produtivas existentes no país.

Dentro dessa realidade, a indústria de laticínios ocupa a quarta posição no setor alimentício, representando cerca de 10% de seu faturamento total, perdendo apenas para os setores de derivados de carne, beneficiamento de café, chá e cereais e o de açúcares, respectivamente.

Contudo, é importante ressaltar que o aparecimento do coronavírus causou certo impacto na indústria de laticínios do país. Ainda assim, o setor de produção de alimentos, neste momento, se encontra menos vulnerável frente a outros setores econômicos, afinal, todos possuem a necessidade de se alimentar. Apesar disso, esse cenário trouxe consequências para os pequenos produtores de leite, que diminuíram ou perderam seus pontos de venda.

O leite UHT, assim como o leite em pó, é um produto de grande consumo com possibilidade de estocagem. No entanto, os derivados, como iogurtes e queijos, e até mesmo o leite pasteurizado, tiveram redução neste período, o que compromete também pequenos laticínios, pequenas queijarias e um grande número de produtores que dependem da produção leiteira. 

A pecuária leiteira experimentou profundas modificações nas últimas décadas, e o setor de laticínios foi o autor da maioria das transformações, se mostrando como um dos elos mais dinâmicos da cadeia produtiva. Isso provocou mais investimentos e, consequentemente, modernização da logística, geração de empregos e crescimento do setor.

Levando em consideração as mudanças em toda a cadeia produtiva do leite, aumentou-se a preocupação, em especial por parte das indústrias de laticínio, com aspectos relacionados à qualidade do leite cru, desde sua obtenção até sua comercialização. Isso porque o beneficiamento industrial consiste em tornar o leite menos perecível e mais seguro do ponto de vista sanitário, para que possa ser utilizado como matéria prima para uma série de produtos na indústria como:

  • bebida láctea;
  • leite fermentado;
  • coalhada;
  • queijos;
  • leite em pó;
  • manteiga;
  • iogurtes;
  • leite pasteurizado;
  • leite UHT;
  • sobremesas lácteas;
  • leite condensado;
  • creme de leite e outros.

Carreira na Indústria de Laticínios

Com os avanços tecnológicos e as mudanças no cenário da indústria de laticínios, fica cada vez mais evidente a necessidade de profissionais qualificados para atuar no setor. O profissional interessado deve ampliar seu conhecimento e se preparar para a indústria que é carente de mão de obra capacitada e garante empregabilidade.

Devido a esses fatos, vale a pena investir na sua formação e conferir as cinco dicas que disponibilizamos para que você se torne o profissional ideal e construa uma carreira de sucesso no setor de laticínios.

  1. DESENVOLVIMENTO PESSOAL;
  2. CONHECIMENTO DE MERCADO;
  3. FOCO E PLANEJAMENTO;
  4. ATUALIZAÇÃO;
  5. BOA FORMAÇÃO E INOVAÇÃO.

1. Desenvolvimento pessoal

Especialistas em recursos humanos descrevem que somente o conhecimento técnico não é suficiente para fazer um profissional de excelência, mas é desejável que o mesmo se relacione bem com seus colegas de trabalho e consiga distribuir funções operacionais e não operacionais conforme as capacidades pessoais de cada trabalhador.

Assim, uma das características mais solicitadas por empresas deste e de vários outros setores, consiste na habilidade de relacionamento interpessoal, liderança, gestão de pessoas e de conflitos.

O profissional que deseja fazer carreira na indústria de laticínios deve ser dinâmico, com iniciativa e influência, uma vez que ele é responsável por coordenar processos produtivos. Saber trabalhar em equipe e se comunicar com diversos setores e níveis hierárquicos também é fundamental, afinal, esse profissional precisará estar em contato tanto com o operador de máquinas, quanto com a gerência da empresa. Além disso, dinamismo e criatividade são características importantes para quem desejar ser um profissional da área.

Seguindo essa ideia, um time bem planejado e capacitado pode proporcionar ótimos resultados e sucesso ao empreendimento.

Leia também: Gestão de Pessoas na Indústria de Alimentos: O que é e Como Fazer

2. Conhecimento do mercado da indústria de laticínios

Além das habilidades necessárias, o profissional ideal deve entender a história, evolução e o futuro da indústria. Também, é essencial ter conhecimento sobre o seu funcionamento, os regulamentos, o que determina o aumento ou diminuição dos preços dos produtos e quais fatores interferem na cadeia produtiva.

Isso porque a instabilidade do mercado leiteiro exige que os profissionais tenham uma visão clara sobre a realidade da área em que atuam. Além de, claro, ter a habilidade de se adaptar bem à ambientes dinâmicos e de constante mudanças.

Fica evidente que acompanhar as tendências do mercado e as mudanças no cenário da indústria de laticínios coloca o profissional em uma posição privilegiada em relação à concorrência. 

Um exemplo disso é a análise constante do perfil do consumidor que, cada vez mais exigente, provoca constantes mudanças de estratégia na indústria, como por exemplo:

  • A procura por conveniência e praticidade nos produtos, em decorrência da rotina diária das pessoas estar mais corrida;
  • Mudanças no perfil demográfico da população que está envelhecendo gradativamente, sendo necessário criar produtos direcionados a este novo público;
  • Maior preocupação com a saúde. Existe um crescente interesse global pelo papel desempenhado na saúde por alimentos contendo componentes que influenciam em atividades fisiológicas ou metabólicas, ou que sejam enriquecidos com substâncias isoladas de alimentos que possuam uma destas propriedades, os quais estão sendo chamados alimentos funcionais. Os consumidores se preocupam em saber o que estão comprando e comendo no âmbito de segurança, qualidade e funcionalidade, entre outros aspectos. Certamente essa é uma tendência em que a indústria de laticínios já vem investindo e continuará expandindo nos próximos anos;
  • Responsabilidade social. Observa-se uma demanda por parte do consumidor relacionada à questões éticas e ambientais. Os novos consumidores não ficam mais satisfeitos somente com o sabor e qualidade do produto, eles querem empenho por parte da empresa no desenvolvimento sustentável e na sua atuação perante a sociedade.

3. Foco e planejamento

O profissional ideal para a indústria de laticínios deve estar sempre focado em suas atividades, além de ter um bom planejamento da rotina de trabalho de modo que a torne mais eficiente. 

Para facilitar esse gerenciamento, pode-se adotar ferramentas que têm o objetivo de otimizar o fluxo interno e promover a rotina de hábitos, permitindo, assim, o aperfeiçoamento da disciplina dos colaboradores. Um bom exemplo é a utilização de agendas, planilhas, notas e ferramentas organizacionais que ajudam no controle da rotina diária.

Além disso, também existem técnicas de gestão do tempo, como por exemplo, o método GTD, a técnica Pomodoro e o método Kanban, que poderão te auxiliar na busca de se tornar mais produtivo.

Colaboradores ambiciosos, que têm uma meta profissional bem definida, são aqueles que conseguem abraçar desafios, superar obstáculos mais facilmente e trazer melhores soluções para tornar o trabalho ainda melhor.

4. Atualização

Ser capaz de acompanhar o desenvolvimento científico e tecnológico que ocorre em sua área e ficar de olho nas novidades do mercado são fatores fundamentais para a atualização profissional – condição que, por sua vez, é pré-requisito para a ascensão na carreira.

Um profissional de sucesso está em constante desenvolvimento e aprendizado. Por isso, não pare de estudar e invista sempre na sua educação. Seu desenvolvimento deve ser uma combinação de competências técnicas (na sua área de interesse) e comportamentais (negociação, liderança, gestão do tempo, resolução de conflitos, proatividade etc).

Algumas empresas têm programas de “mentoria” (mentoring), coaching e até treinamento. Por isso, não desperdice as oportunidades oferecidas.

Outro quesito essencial para um profissional da indústria láctea é se manter informado acerca das legislações concernentes ao segmento, que também estão em constante mudança. Por isso, além de conhecer a legislação vigente, o profissional deve estar atento às alterações que ocorrem, para que esteja sempre pronto para implementá-las na sua cadeia de trabalho quando necessário.

No Brasil, a legislação deste setor fica a cargo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o órgão máximo na hierarquia. Você pode consultar as leis no próprio site da entidade através do SISLEGIS, e regulamentos pelo RIISPOA (Regulamento de inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal).

São várias as possibilidades de se reciclar e elas ampliam a visão sobre a profissão e o trabalho. E mais, não se esqueça do networking. Ter uma rede de contatos e alimentar esses relacionamentos contribui para a troca de conhecimentos, experiências, apoio e até indicações. 

É importante frequentar eventos como congressos, feiras e workshops oferecidos para o setor de laticínios. Porém, não se esqueça de cultivar relacionamentos em outras esferas também. Praticar esportes coletivos, viajar, conhecer novas pessoas, fazer trabalho voluntário, ter um hobby e participar ativamente da vida em sua comunidade também ajudam a formar sua rede.

Não procure seus conhecidos somente na hora em que tiver um problema; crie o hábito de manter contato regularmente e esteja disposto a ajudar também. Aproveite para exercitar a escuta, falando menos e ouvindo mais. Profissionais de sucesso são bons observadores e buscam sempre aplicar os aprendizados na prática.

5. Boa formação e Inovação

Por fim, mas não menos importante, o ponto crucial para alcançar o seu objetivo de carreira na indústria de laticínios é buscar o aprimoramento do conhecimento técnico, por meio de cursos de capacitação na área.

É essencial a busca por ensinamentos que vão além do o que fazer, mas, principalmente, que mostrem também o como fazer. A aplicação prática, através da simulação de situações reais do dia a dia, te ensinam a atuar eficientemente na solução de problemas e identificação das falhas. Portanto, invista em uma pós-graduação em alimentos; ela é a chave para alavancar o seu sucesso.

O Ifope oferece uma pós-graduação que entrega ao profissional o conhecimento técnico que ele precisa para atuar efetivamente em seu trabalho cotidiano. Nossa maior preocupação é a efetiva associação entre o teórico e o prático para que o aprendizado leve a resultados reais dentro das indústrias e serviços de alimentação.

Banner Pós POA
Conheça o plano de aceleração de carreiras Ifope!

Além de boa formação, ser inovador é um diferencial para quem quer fazer carreira na indústria de laticínios. Não só em produtos, mas também em canal de distribuição, embalagem, comunicação e outros. Em entrevista para a revista Indústria de laticínios, o especialista Marcelo Pereira de Carvalho (engenheiro agrônomo fundador da AgriPoint) disse que faltam iniciativas pré-competitivas do setor, e isso se deve à insuficiência de bons profissionais, que sejam criativos e capacitados.

Confira ainda: 5 razões para você fazer uma pós-graduação em alimentos

Sonhe e execute

Temos certeza que agora, após ter lido estas cinco dicas, você já tem em mente uma estratégia e um caminho a seguir para alcançar sua carreira de sucesso!

Então vamos lá: coloque nossas dicas em prática, tenha persistência, elabore um plano e não tenha pressa, porque, ainda que não seja imediato, o sucesso é alcançável e só depende de você!

Você pode gostar de ler também: Consultoria Alimentar: Como Ter Sucesso Nessa Área

Autoria da redatora do Ifope:

Stéphanie Ingrid Ferreira