Segurança de alimentos e segurança alimentar: dois termos que são frequentemente utilizados para designar a mesma coisa, quando, na verdade, possuem significados completamente diferentes. Esse erro é comum de ser observado, seja em sites que falam sobre qualidade de alimentos, empresas que prestam consultoria para indústrias, por profissionais da área técnica ou até mesmo em trabalhos científicos.

Existem pessoas que nem sabem da distinção entre os termos, enquanto outros, apesar de saberem que são coisas distintas, muitas vezes confundem seus conceitos, incorrendo em erros ao falar sobre o assunto. Do ponto de vista de carreira ou de mercado de trabalho, a grande consequência disso é a perda de credibilidade no real conhecimento ou competência que o profissional ou empresa possui por não saber empregar termos tão importantes e ao mesmo tempo distintos conceitualmente .

Seja onde for que o engano é cometido, chegou a hora de acabar com essa confusão!

O que é segurança de alimentos?

Segurança de alimentos

Segurança de alimentos ou dos alimentos é o tema com que abordamos aqui no Blog. É o conceito que queremos disseminar entre engenheiros e tecnólogos de alimentos, veterinários, farmacêuticos, nutricionistas e todos os profissionais da área alimentícia.

Conforme o Codex Alimentarius*, a segurança de alimentos é a garantia de que os alimentos não causarão danos ao consumidor quando for preparado e / ou consumido de acordo com o uso a que se destina.

 

 

*O Codex é um fórum internacional de normatização do comércio de alimentos desenvolvido em conjunto pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Sua função é estabelecer padrões de qualidade que servem de base para elaboração de normas e leis que garantam a inocuidade dos alimentos.

Para garantir a produção de alimentos seguros, é necessário que os elos da cadeia produtiva adotem medidas de gestão de qualidade com foco na prevenção de riscos e na sistematização dos procedimentos. Os programas de autocontrole, BPF e a APPCC são ferramentas utilizadas com foco no controle e monitoramento dos processos com o fim de evitar a ocorrência de contaminações de forma a garantir alimentos seguros para as populações.

Você pode gostar de ler também:

A promoção da segurança dos alimentos pressupõe a adoção de ações que vão desde a produção do alimento no campo, passando pelo processamento e indo até o momento do consumo. O objetivo é assegurar ao consumidor produtos de qualidade, isentos de qualquer tipo de contaminação, seja ela biológica, física ou química. Exemplos desses contaminantes estão listados abaixo:

1- Biológicos: são representados por bactérias, fungos, parasitas e vírus. Esses contaminantes podem estar presentes no alimento ou podem ser carreados para ele por meio de manipuladores ou pelo contato com o ambientes sujos.

2- Físicos: são objetos e materiais que podem estar presentes no alimento. Como exemplo, têm-se pedras e partículas de terra provenientes da área de produção. Ou então pregos e parafusos desprendidos de equipamentos no momento do processamento.

3- Químicos: são representados por pesticidas que são utilizados no campo, resíduos de sanitizantes usados na higienização de ambientes e equipamentos ou óleos lubrificantes empregados na manutenção de máquinas.

Leia também: 3 Dicas Valiosas para Evitar a Contaminação de Alimentos nos Estabelecimentos

O que é segurança alimentar?

Segurança AlimentarEsse termo, ao contrário do exposto anteriormente, não se refere propriamente à indústria ou à inocuidade dos alimentos. Seu uso está relacionado às discussões sociais e políticas quanto à garantia de alimentação para as populações.

De acordo com a FAO, a segurança alimentar existe quando todas as pessoas, em todos os momentos, têm acesso físico, social e econômico a alimentos suficientes, seguros e nutritivos que atendam às suas necessidades dietéticas e preferências alimentares para uma vida ativa e saudável.

Programas de combate à fome são necessários em países subdesenvolvidos, regiões de desastre ambiental e de guerras. Dentre as ações adotadas estão investimentos para aumentar a produtividade agrícola, proteção social para os mais vulneráveis e programas de nutrição específicos.

No Brasil, existe um histórico de Programas com o objetivo de promover a segurança alimentar entre a parcela mais carente  da população. O Comunidade Solidária, de FHC, e o Fome Zero, de Lula, foram exemplos disso. Atualmente, o Bolsa Família é o responsável por levar assistência a famílias em situações de pobreza no país.

Quem é quem

Agora que o significado de cada expressão já foi elucidado, está na hora de relacionar o conceito a cada termo. Como as palavras são muito similares, é comum que ocorram dúvidas. Para que isso não ocorra mais, vamos utilizar alguns artifícios mnemônicos para você memorizar quem é quem nessa história. Colocamos aqui mais de uma opção para que você mesmo escolha aquela que mais facilita seu aprendizado.

Se pegarmos as iniciais do termo segurança de alimentos temos SDA. Com essa sigla podemos associar algumas palavras que estão diretamente relacionadas com o conceito que já aprendemos anteriormente. Sanidade, por exemplo, é intrínseco à definição de segurança de alimentos. Destacando algumas letras do vocábulo temos SaniDAde, que são justamente as letras da sigla SDA.

Temos outras formas de associar o SDA. Veja qual é a melhor para você:

  • Saúde Dos Alimentos – que é o objetivo da SDA;
  • Sem Doença nos Alimentos – todas as ações em SDA, de alguma forma, buscam evitar que doenças sejam transmitidas ao homem por meio do consumo de alimentos;
  • Agente Do SIF – profissional que, na esfera federal, garante a sanidade dos produtos de origem animal e vegetal. Aqui a sigla fica invertida mesmo;
  • SIF – Departamentos de inspeção – Anvisa – órgãos que estão relacionados com a SDA;
  • SDA, sonoramente, parece com FDA que é o órgão americano responsável por proteger a saúde pública garantindo a segurança de drogas e alimentos.

Já para a segurança alimentar, a sigla encontrada é a SA. Como já mencionado, o uso do termo possui cunho social. Com isso, podemos associar o SA com Ação Social, que seria a sigla invertida.

Uma das mais fáceis que acho é: em “Segurança dos Alimentos”, o núcleo é  “alimentos” como o próprio nome diz, então é o alimento ser seguro, enquanto “Segurança Alimentar” está focado no verbo “alimentar”, então são ações para garantir o direito da população se “alimentar”. Agora que você aprendeu as diferenças entre segurança de alimentos e segurança alimentar é só colocar em prática e propagar essa informação. Afinal, assuntos tão  sérios não devem ser confundidos e você, como profissional da indústria de alimentos, não pode cometer erros de conceito, uma vez que isso compromete sua credibilidade e profissionalismo!

 

Quer saber como desenvolver o manual de Boas Práticas de Fabricação? Saber quais as legislações seguir?
Baixe agora esse material gratuito e aprenda a estrutura ideal do Manual de BPF.

Guia PBF prático